o único momento real...

Corja política corrupta, safada e sem vergonha é delatada e manipularão a verdade

By Raymond

Postado em , | Tags : , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Machado relata propina a mais de 20 políticos de PMDB, PT, DEM e PSDB

Em sua delação premiada, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado relatou ter repassado propina a mais de 20 políticos de diferentes partidos, passando por PMDB, PT, PP, DEM, PSDB e PSB.

Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro e ex-aliado do PMDB

Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro e ex-aliado do PMDB

O PMDB, fiador político de sua indicação à presidência da Transpetro, foi o que mais arrecadou: cerca de R$ 100 milhões, de acordo com seus depoimentos.

Segundo ele, os políticos o procuravam pedindo doações e, em seguida, Machado solicitava os repasses às empreiteiras que tinham contratos com a Transpetro.

“Embora a palavra propina não fosse dita, esses políticos sabiam ao procurarem o depoente que não obteriam dele doação com recursos do próprio, enquanto pessoa física, nem da Transpetro, e sim de empresas que tinham relacionamento contratual com a Transpetro”, afirmou.

A lista de políticos entregue por Sérgio Machado inclui ferrenhos adversários do PT, como o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), o ex-senador Sérgio Guerra (PSDB-PE, morto em 2014), o senador José Agripino Maia (DEM-RN) e o deputado Felipe Maia (DEM-RN).

Além deles, outros que o procuraram pedindo recursos foram, de acordo com sua delação, os caciques do PMDB Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR), José Sarney (AP) e Jader Barbalho (PA), e também os parlamentares e ex-parlamentares Cândido Vaccarezza (PT-SP), Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Luiz Sérgio (PT-RJ), Edison Lobão (PMDB-MA), Edson Santos (PT-RJ), Francisco Dornelles (PP-RJ), Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), Ideli Salvatti (PT-SC), Jorge Bittar (PT-RJ), Garibaldi Alves (PMDB-RN), Walter Alves (PMDB-RN) e Valdir Raupp (PMDB-RO).

 

Machado também afirmou que o presidente interino, Michel Temer, negociou propina para a campanha do então correligionário Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo, em 2012.

No caso de Renan, Jucá e Sarney, o ex-presidente da Transpetro relatou que eles receberam tanto por meio de doações oficiais como de dinheiro em espécie. Machado detalhou quais doações feitas a eles podem ser consideradas como propina.

Machado também relatou quais empresas aceitavam fazer pagamentos de propina referentes aos contratos com a Transpetro. Segundo ele, foram a Camargo Corrêa, Galvão Engenharia, Queiroz Galvão, NM Engenharia, Estre Ambiental, Polidutos, Essencis Soluções Ambientais, Lumina Resíduos Industriais e Estaleiro Rio Tietê.

“Quando chamava uma empresa para instruí-la a fazer doação oficial a político, ele sabia que isso não era lícito, que a empresa fazia doações em razão de seus contratos com a Transpetro”, disse Sérgio Machado, em um de seus depoimentos.

 

OUTRO LADO

Os implicados na delação de Machado apressaram-se em negar o recebimento ilícito de verbas ou mesmo qualquer contato com o delator.

Os senadores Romero Jucá (PMDB-RR), Edison Lobão (PMDB -MA) e o ex-presidente José Sarney, negaram, por meio de seu advogado, que tenham recebido recursos de Machado.

O senador Aécio Neves negou que tenha usado propinas para comprar apoio na Câmara. Roberto Requião (PMDB-PR) afirmou que o único contato que teve com Machado foi quando foram senadores juntos.

Gabriel Chalita (PDT), hoje secretário municipal de Educação de São Paulo, negou conhecer ou ter contato com Machado.

O ministro Henrique Eduardo Alves (Turismo), o senador José Agripino Maia (DEM-RN) e os deputados Luiz Sérgio (PT-RJ) e Felipe Maia (DEM-RN) confirmaram ter recebido doações, mas afirmam que elas foram lícitas. O mesmo foi dito por Garibalde Alves e Walter Alves (ambos do PMDB-RN).

O ex-ministro das Comunicações no governo FHC Luiz Carlos Mendonça de Barros negou ter participado da campanha de reeleição do ex-presidente.

O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) afirmou que Machado nunca arrecadou para suas campanhas e que nunca pediu que o o ex-presidente da Transpetro o fizesse. O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) também disse nunca ter solicitado doações a Machado.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), reafirmou ter se encontrado com Sérgio Machado, mas negou que existam irregularidades em sua contabilidade eleitoral.

O ministro do TCU Vital do Rêgo afirmou que não se manifestará “tendo em vista desconhecer os termos da referida delação”.

O ex-senador e ex-governador de Alagoas Teotônio Vilela Filho disse “repudiar veementemente” as declarações de Machado sobre o PSDB e disse estar interessado no “pleno esclarecimento dos fatos”.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) ainda não respondeu ao pedido da reportagem.

Heráclito Fortes (PSB-PI) está em missão oficial no Panamá e disse que só irá se manifestar nesta quinta-feira (15), quando retornar ao país.

Procuradas, as empresas Galvão Engenharia, NM Engenharia, Estre Ambiental (que também responde pela Polidutos), Estaleiro Rio Tietê e Lumina Resíduos Industriais (Odebrecht Ambiental) não quiseram, por ora, se manifestar.

A Camargo Corrêa afirmou que “colabora com a Justiça por meio de um acordo de leniência”. Já a Queiroz Galvão informou que “não comenta investigações em andamento”.

A Essencis Soluções Ambientais não havia respondido até as 18h.

 

Veja todos os citados por Machado em sua delação:

  • Senador Aécio Neves (PSDB-MG)
  • Deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP)
  • Senador Edison Lobão (PMDB-MA)
  • Deputado federal Edson Santos (PT-RJ)
  • Senador Eduardo Braga (PMDB-AM)
  • Deputado federal Felipe Maia (DEM-RN)
  • Governador do Rio Francisco Dornelles (PP-RJ)
  • Secretário de Educação de São Paulo Gabriel Chalita (PDT-SP)
  • Senador Garibaldi Alves (PMDB-RN)
  • Ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN)
  • Deputado federal Heráclito Fortes (PSB-PI)
  • Ex-ministro Ideli Salvatti (PT-SC)
  • Senador Jader Barbalho (PMDB-PA)
  • Deputado Jandira Feghali (PCdoB-RJ)
  • Ex-deputado federal Jorge Bittar (PT-RJ)
  • Senador José Agripino Maia (DEM-RN)
  • Ex-presidente José Sarney (PMDB-AP)
  • Ex-ministro das Comunicações (governo FHC) Luiz Carlos Mendonça de Barros
  • Deputado federal Luiz Sérgio (PT-RJ)
  • Presidente interino Michel Temer (PMDB-SP)
  • Presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL)
  • Senador Roberto Requião (PMDB-PR)
  • Senador Romero Jucá (PMDB-RR)
  • Ex-senador Sérgio Guerra (PSDB-PE)
  • Ex-senador Teotônio Vilela Filho (PMDB-AL)
  • Senador Valdir Raupp (PMDB-RO)
  • Deputado Walter Alves (PMDB-RN)
  • Ministro do TCU Vital do Rego (PMDB-PB)

Leia Mais

Fonte: GloboNews 1 e 2,  Folha de São Paulo com MÁRCIO FALCÃO / AGUIRRE TALENTO / RANIER BRAGON / MARINA DIAS / DANIELA LIMA
de Brasília e colaboraram REYNALDO TUROLLO JR. / WÁLTER NUNES, de São Paulo.

(Visited 19 times, 1 visits today)

About The Raymond

Related Posts

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Comment


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

btt