o único momento real...

Compra & Venda de votos pelo Congresso é normal, afirma FHC

By Raymond

Postado em | Tags : , , , , , ,

Compra de votos para reeleição era questão do Congresso, afirma FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz que não mandou investigar as denúncias de compra de votos para aprovar a emenda constitucional que permitiu sua reeleição em 1998 porque o assunto era uma questão do Congresso, não do seu governo.

No segundo volume dos diários que registram sua passagem pelo poder, que deve chegar às livrarias nesta segunda-feira (23), Fernando Henrique expressa indignação com a divulgação das denúncias e deixa claro que temia o impacto que uma investigação teria sobre o Congresso e seu governo.

A Câmara dos Deputados aprovou a emenda da reeleição em fevereiro de 1997. Em maio, quando o projeto ainda estava para ser votado no Senado, a Folha revelou que um deputado do PFL do Acre, Ronivon Santiago, admitira ter votado a favor da reeleição em troca de R$ 200 mil.

FHC recebe título de doutor honoris causa da Universidade Harvard

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso recebe título em Harvard Steven Senne/Associated Press

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso recebe título em Harvard
Steven Senne/Associated Press

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso recebeu nesta quinta-feira (26) o título de doutor honoris causa na Universidade Harvard, em Cambridge, na costa leste dos Estados Unidos. Harvard é uma das mais prestigiadas universidades do mundo.

Só outros dois latino-americanos já haviam sido agraciados com esse título: os escritores Octavio Paz (1914-1998) e Carlos Fuentes (1928-2012), ambos mexicanos.

Além de FHC, mais oito personalidades receberam o título de doutor honoris causa de Harvard nesta quinta, entre os quais o cineasta Steven Spielberg e o historiador David B. Davis, um dos mais famosos pesquisadores da escravidão nos EUA.

O cineasta, que dirigiu “E.T” e “A Lista de Schindler “, fez o discurso de agradecimento do título em nome dos nove agraciados com o doutorado.

*

 

O ex-presidente falou também dos desafios do governo do presidente interino Michel Temer.

Na entrevista a seguir, Fernando Henrique comenta outras passagens do novo volume dos diários, em que narra a campanha eleitoral de 1998 e registra conversas com empresários que tinham negócios com a Petrobras.

*

Folha – De acordo com um registro de setembro de 1998 dos seus diários, o sr. reconhece que seu discurso sobre a situação econômica durante a campanha eleitoral era uma “meia verdade”, porque omitia os problemas cambiais, que seriam a “questão central”. Por que o sr. não falou a verdade inteira?
Fernando Henrique Cardoso – Na questão cambial, você não pode falar. Não pode emitir sinais que podem ser usados para ganhar dinheiro no mercado. Câmbio não é coisa que se possa falar.

Foi estelionato eleitoral?
Eu anunciei ao Brasil, antes das eleições, em discurso no Itamaraty, que nós iríamos ao Fundo Monetário [Internacional], e que haveria um ajuste fiscal. Antes das eleições. Acho que fui sincero, dentro da responsabilidade de quem exerce o poder.

Apesar da sua indignação com as denúncias de compra de votos, não há registro nos diários de providências que o sr. tenha tomado para que elas fossem investigadas. Por que nunca mandou investigá-las?
Aquilo não era no Executivo, era uma questão do Congresso. Eu não tinha poder para isso. O Executivo não tem poder para mandar examinar o Congresso. [O então ministro] Sérgio Motta foi pessoalmente à Comissão de Constituição e Justiça explicar as coisas. E o Congresso abriu lá uma sindicância. O Executivo não tinha ação. O Ministério Público talvez pudesse ser acionado, mas não por mim.

Os diários mostram também que o sr. tinha preocupação com a paralisia do Congresso e do governo se houvesse uma investigação.
Mas não cabia a mim. O Congresso fez o que achou que tinha de fazer.

Não fez muito.
Como até hoje. O que está acontecendo agora é a Operação Lava Jato. Houve um amadurecimento muito grande das instituições de Estado. A raiz disso é a Constituição de 1988. Criamos ali a independência do Ministério Público, mas criar a cultura de independência em relação ao Estado leva tempo.

Há várias referências à Petrobras no novo volume dos diários. Num registro em março de 1997, o sr. diz que ouviu do empresário Emílio Odebrecht a sugestão de que a quebra do monopólio da Petrobras na importação de petróleo seria uma maneira de “controlar eventuais desmandos” na empresa. Em abril, o sr. diz ter recebido do empresário Paulo Cunha informações sobre “malandragens grandes” na estatal. Do que eles estavam falando?
Eles não disseram. Rumores sobre malfeitos na Petrobras vêm de décadas, desde o tempo do [presidente Ernesto] Geisel. Nunca ninguém me especificou. Houve uma acusação do [jornalista] Paulo Francis contra o Joel Rennó [então presidente da Petrobras]. Pedi a ele para retirar a ação contra o Francis. Ele disse que não podia, porque tinha sido ofendido. Francis dissera que o Rennó tinha milhões de dólares. “Eu não tenho. Ele que prove”. E manteve o processo.

Havia desde antes rumores sobre negócios de plataformas. Foi tudo para a Justiça. Estou revisando os próximos volumes dos diários e chequei com o [ex-presidente da Petrobras Henri] Philippe [Reichstul] recentemente. O que a Justiça fez eu não sei. Às vezes são discussões entre grupos e um acusa o outro. Dificilmente chegou até mim uma coisa concreta.

Havia pressões para mexer na diretoria da Petrobras?
Sempre havia muita pressão dos partidos. O Rennó veio do tempo do [presidente] Itamar Franco. Não era de partido. Ele prestou um serviço importante para mim, para o Brasil. Concordou com a flexibilização do monopólio do petróleo. Eu não poderia mexer naquilo se não houvesse um apoio interno na empresa. Então Rennó era fundamental, porque assegurava um diálogo com a empresa. Não dava para mexer no Rennó. E os resultados da Petrobras, que foram muito bons.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em seu instituto Claudio Belli - 19.mai.16/Valor/Folhapress

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em seu instituto
Claudio Belli – 19.mai.16/Valor/Folhapress

 

Leia Mais

Fonte: Folha de São Paulo 1 e 2.

(Visited 19 times, 1 visits today)

About The Raymond

Related Posts

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Comment


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

btt