o único momento real...

Um alerta sobre o impacto da alimentação moderna na prática de exercícios

By Raymond

Postado em | Tags : , , , ,

O excessivo consumo de corantes, conservantes e outros  produtos químicos presentes na nossa alimentação é prejudicial à saúde de todos, mais ainda para quem pratica exercício.

O alerta é da professora Annie Bello, graduada em nutrição pela UERJ, especialista em nutrição clínica pela UFRJ, mestre e doutora em Fisiopatologia Clínica (University of Utah – EUA / UERJ) e uma das autoras do recém lançado livro “Nutrição e destoxificação: bases moleculares para a prática clínica”. Annie presta relevante contribuição aos leitores do blog “Medicina e Exercício”, escrevendo um artigo sobre os efeitos danosos da chamada alimentação moderna. Segue o artigo de Annie Bello:

“Na vida corrida de hoje, quase todos buscam conveniência, praticidade e baixo custo. Compra-se comida no posto de gasolina, come-se na mesa de trabalho, falta tempo para ir à feira e quando se chega em casa faltam tempo e vontade de cozinhar.

Apesar de alguns demonstrarem interesse em dedicar mais tempo com a alimentação, a grande maioria ainda opta por alimentos práticos, prontos para o consumo, de conveniência e que não estragam. Surge esse novo “padrão alimentar moderno”, baseado em alimentos processados e ultraprocessados. Muitas formas de processamento são benéficas. Mas quando falamos dos alimentos ultraprocessados, que predominam cada vez mais nas prateleiras dos mercados, alertamos para produtos densos em calorias, em gordura, em açúcares e em sal. São considerados obesogênicos, costumam ser ainda muito atrativos, hiperpalatáveis, baratos e prontos para o consumo. Alguns alimentos deste grupo são as barrinhas de cereal, sucos de caixinha, refeições prontas congeladas, biscoitos e bebidas lácteas com corantes.

Se por um lado esses alimentos trazem muita facilidade para o consumo, por outro são extremamente inadequados do ponto de vista nutricional. No seu processo de fabricação, são retirados as vitaminas e os minerais naturalmente presentes nestes alimentos, além de receberem muitos aditivos químicos, como corantes, conservantes, adoçantes e vitaminas sintéticas. Em resumo, esses produtos alimentícios – que cada vez mais substituem à comida caseira – são pobres em vitaminas e minerais e ricos em aditivos químicos.

Quem pratica exercício físico acaba se prejudicando duplamente com esse padrão alimentar moderno. Primeiro porque, para esse grupo, a demanda por vitaminas e minerais é muito maior. O exercício físico sabidamente produz um estresse metabólico, devido ao alto consumo de oxigênio, e, por conta disso, o corpo precisa de um aporte aumentado de nutrientes para fazer a recuperação muscular, principalmente quando temos como objetivo a melhora da performance e o condicionamento físico.

Em segundo lugar, esse mito de ter que comer imediatamente antes e depois do treino, faz com que o praticante de exercícios físicos seja um alvo fácil para a indústria, que oferece produtos com praticidade e conveniência exatamente como deseja.

O consumo dos suplementos nutricionais, principalmente pré e pós-treino, acaba por substituir mais uma vez a comida de verdade, a comida caseira. É muito comum o consumo de bebida láctea com corante (que muitos chamam de iogurte) habitualmente ingeridas no café da manhã, biscoitinho com um suco de caixinha no lanche da tarde e a refeição congelada ou um macarrão instantâneo à noite.

A frequência de consumo destes alimentos é excessiva e provoca uma baixa ingestão de nutrientes indispensáveis à saúde e uma altíssima ingestão de aditivos químicos. Corantes e adoçantes prejudicam, por exemplo, a saúde do intestino. Diante disso, devemos fazer algumas reflexões: após a prática do exercício, o corpo precisa de corante ou de nutrientes? Precisa usar um isotônico colorido artificialmente ou de nutrientes naturais?

Portanto, o praticante de exercícios físicos deve ficar duplamente atento para reduzir o consumo de alimentos processados com corantes, conservantes ou adoçantes. Deve procurar desembalar menos e descascar mais. Esses alimentos podem ser uma opção eventual de consumo e não uma rotina.

A alimentação e o exercício são duas peças fundamentais do quebra-cabeça da saúde e do bem-estar. Vale a pena encontrar um tempo para comprar, cultivar e preparar o nosso alimento”.

Fonte: O Globo

(Visited 4 times, 1 visits today)

About The Raymond

Related Posts

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Comment


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

btt